Conselhos de J. K. Rowling para quem quer escrever

/, Sem categoria/Conselhos de J. K. Rowling para quem quer escrever

Várias vezes vemos textos com dicas de escritores bestsellers sobre o que você deve fazer para alcançar o sucesso como autor. E em muitos artigos vemos conselhos de J. K. Rowling, cuja trajetória literária dispensa apresentações. Mas a verdade é que ela escreveu apenas uma vez sobre o assunto e em seu próprio site (você pode ler o original em inglês aqui). E ela mesma fala que não é uma lista de “você precisa fazer”, até porque ela não suporta esse tipo de guia.

“Não tenho dez regras que garantam o sucesso, embora prometo que as compartilharia se tivesse. A verdade é que eu encontrei o sucesso tropeçando sozinha em uma direção que a maioria das pessoas pensava ser um beco sem saída, quebrando todos os disparates dos anos 90 sobre os livros infantis no processo.”

Desse modo, Rowling afirma que os escritores devem esquecer o “deve fazer” e concentrar-se no “você provavelmente não vai muito longe se não fizer isso”:

Leitura

“Isto vai especialmente para escritores mais jovens. Você não pode ser um bom escritor sem ser um leitor dedicado. A leitura é a melhor maneira de analisar o que faz um bom livro. Observe o que funciona e o que não funciona, o que você gostou e por quê. No início, você provavelmente imitará seus escritores favoritos, mas é uma boa maneira de aprender. Depois de um tempo, você encontrará sua própria voz distinta.”

Disciplina

“Momentos de pura inspiração são gloriosos, mas a maior parte da vida de um escritor é, para adaptar o velho clichê, mais a transpiração do que a inspiração. Às vezes você tem que escrever mesmo quando a musa não está cooperando.”

Resiliência e humildade

“Eles andam de mãos dadas, porque rejeição e críticas fazem parte da vida de um escritor. O feedback informado é útil e necessário, mas alguns dos maiores escritores foram rejeitados várias vezes. Ser capaz de se recompor e seguir em frente é inestimável para sobreviver ao seu trabalho ser avaliado publicamente. O crítico mais severo costuma estar dentro de sua própria cabeça, ser você mesmo. Hoje em dia, geralmente consigo acalmar essa crítica em particular, alimentando-a com um biscoito e dando-lhe uma folga, embora, nos primeiros dias, às vezes eu tenha que tirar uma semana de folga antes que ela tenha uma visão mais gentil do trabalho em andamento. Parte da razão pela qual houve sete anos entre ter a ideia da Pedra Filosofal e publicá-la, foi que eu continuava guardando o manuscrito por meses, convencida de que era lixo.”

Coragem

“O medo do fracasso é a razão mais triste da Terra para não fazer o que você deveria fazer. Finalmente encontrei a coragem de começar a enviar meu primeiro livro a agentes e editores em um momento em que senti um fracasso evidente. Só então eu decidi que tentaria uma coisa que sempre suspeitei que poderia fazer e, se não der certo, bem, eu enfrentei pior e sobrevivi.

Afinal, você não prefere ser a pessoa que realmente terminou o projeto com o qual está sonhando, e não a pessoa que fala sobre ‘sempre desejou’?”

Independência

“Com isso quero dizer resistir à pressão de pensar que você deve seguir todas as dez principais dicas religiosamente, que hoje em dia tomam a forma não apenas de listas on-line, mas de livros inteiros prometendo dizer a você como escrever um best-seller / o que você deve fazer para ser publicado / como ganhar um milhão de dólares com a escrita.

Costumo recomendar um site chamado Writer Beware (https://accrispin.blogspot.com) para escritores novos e aspirantes. É um recurso fantástico para quem está tentando decidir o que pode ser útil, o que vale a pena pagar e o que deve ser evitado a todo custo. Infelizmente, existem todos os tipos de golpes que não existiam quando eu comecei, especialmente online.

Por fim, tanto na escrita quanto na vida, seu trabalho é fazer o melhor que puder, melhorando suas próprias limitações inerentes sempre que possível, aprendendo o máximo que puder e aceitando que obras de arte perfeitas são apenas um pouco menos raras que seres humanos perfeitos. Costumo me confortar com as palavras de Robert Benchley: ‘Levei quinze anos para descobrir que não tinha talento para escrever, mas não conseguia desistir, porque naquela época eu era famoso demais’.

***

E aí, o que vocês acharam desses conselhos de J. K. Rowling?

Para acompanhar mais de perto os seus escritos entre em seu site pessoal: https://www.jkrowling.com/

Por Teca Machado

By |2020-08-28T12:36:11-03:009 de junho de 2020|

Deixar Um Comentário