Revisão de protagonista: um mal necessário

/, Sem categoria/Revisão de protagonista: um mal necessário

blog revisão protagonista darth vader optimus prime transformes star wars publicação livro publique seu editora albatroz escrita escrever ficção            O protagonista é o ponto que merece uma atenção especial em toda narrativa. Quando fala-se nas estruturas de um bom roteiro não é possível dissociar a imagem do herói da saga que se segue. O personagem fornece a visão pela qual o leitor terá interação com o mundo. Por mais que o narrador (que pode ser o protagonista ou não), forneça a descrição de mundo e emoções dos personagens, não podendo fornecer o meio pelo qual o leitor se torna ativo na saga. O herói, portanto, merece uma atenção redobrada em sua construção, pois é nele que o público “encarna” a aventura. É por meio de seus pensamentos, intenções, sentimentos e ações que o leitor, por fim, se torna o personagem.

Geralmente o conceito básico da história que o autor desenvolve (ou seja, o ‘pré-enredo’), já está estabelecido desde muito antes da escrita ir para o papel. Esse “conceito” pré-estabelecido do que será escrito já tem como base o protagonista, o início, (possivelmente) um ápice e um esboço de finalização. Dessas quatro partes, o que menos é revisado e sofre alguma alteração substancial é o protagonista. Isso acontece porque criamos a história para apresentar um personagem e não um personagem para apresentar uma história.

A realidade do protagonista

O protagonista não precisa ser o personagem mais querido do público (veja Darth Vader em Star Wars e Optimus Prime em Transformers). Mas apenas precisa criar uma ligação com quem lê. Como foi dito, o protagonista serve de porta de entrada. E muito além disso, como meio pelo qual o leitor interage com todo o enredo. Por isso é importante criar um protagonista condizente com a história. Se o ambiente criado para o livro é de uma Europa do Século XIV. Não adianta criar um Herói que tenha os espírito de alguém que queira lidar contra a “poluição de um futuro distópico do ano 2033”.

Por mais que os ‘heróis-protagonistas’ tenham um arquétipo. Ainda existem subcategorias que devem ser respeitadas para manter a coerência da narrativa. Um Herói Byroniano combina com as perspectivas de um mundo que passa por revolução intelectual e industrial. Um herói épico combina com grandes sagas medievais (por mais que tenha algum elemento futurista envolvido). Não adianta colocar Aquiles em Gotham City que a história não ficará bem desenvolvida. Quando se aconselha que um protagonista deva ser “realista”, não é realista em relação a nossa realidade de vida, mas sim em conformidade com a história que se segue. Reveja seu protagonista, reinvente se necessário, mas não deixe que sua história se perca por algum tipo de “teimosia literária”.

Veja mais dicas no Facebook da Editora Albatroz: https://www.facebook.com/editoraalbatroz/

Siga nosso Instagram: https://www.instagram.com/editora.albatroz/

Veja nossas obras já publicadas em: https://editoraalbatroz.com.br/nossas-publicacoes/

 

By |2018-08-02T08:34:03+00:0016 de abril de 2018|

4 Comments

  1. Maria Aparecida de Rezende 20 de abril de 2018 em 20:50 - Responder

    Boa tarde!Já estou com meu livro pronto ai na Editora Albatroz porém estou esperando um dinheiro de uma herança para receber ,mas está demorando muito a sair já completei 62 anos e meu maior sonho é ver este livro publicado tenho medo de não dar tempo de realizar este sonho….

  2. Juscelayne Maria Silva 19 de abril de 2018 em 16:36 - Responder

    Olá!

    Ótima dica! Mexer com as emoções e imaginação do público será sempre a grande cartada!
    Surpreender é outra grande dica…
    A imaginação criando novas formas; recriando personagens, despertando sentimentos…
    Um mundo mágico de sonhos e realidades!

  3. Cláudio Roberto Weber 17 de abril de 2018 em 14:44 - Responder

    Tenho um livro pronto, com 195 págs. Ficção/policial. Título: “O Último Amanhã”. Personagem central é o inspetor Gunther Rolf, quem o auxilia nas investigações é o inspetor Carne Seco. Maria é companheira do inspetor Rolf. O serial-killer é Petreos Annonis que usa uma lâmina usada muito no Nepal. Uma faca nepalênse. É o meu primeiro trabalho, estou iniciando um novo livro com título provisório: “O Último Inverno”. Novo personagem serial-killer: Tallo Spartano, deve ser o final da história do inspetor Gunther Rolf. Quero mudar de enredo. A narrativa acontece em uma cidade chamada São Agripino onde o inverno é angustiante e medonho de frio.

  4. jorge maciel andrade 17 de abril de 2018 em 14:38 - Responder

    Bom dia . . . Com mais de 3.500 visualizações de leitura no site issuu. com ( https://issuu.com/heitorcoelho9/stacks/5d7b707c3ac24a35abe4b2197a2374cc?utm_source=documentStacked&utm_campaign=Transactional&utm_medium=email ) gostaria de saber sobre o eventual interesse de V.Ss. na publicação do livro físico.

Deixar Um Comentário