Escrita como terapia

//Escrita como terapia
“O ato de escrever é mais poderoso do que as pessoas pensam”, afirma Jordan Peterson, professor de psicologia da Universidade de Toronto (Crédito imagem: Pixabay)

Quantas vezes você sentiu que precisava sentar e colocar no papel todos os sentimentos que estavam dentro de você? Escrever pode ser extremamente terapêutico, uma forma de aliviar um fardo, entender melhor um acontecimento ou simplesmente arejar as ideias e dar espaço para novas.

Pode parecer que estamos falando só de fazer uso de diários, mas hoje essa é uma atividade séria e usada por várias faixas etárias, inclusive incentivada por profissionais. Alguns estudos têm mostrado efeitos positivos da narrativa escrita sobre a saúde em geral, física e psíquica, de pessoas que têm separado um tempinho do seu dia para registrar no papel experiências diárias. Falar sobre acontecimentos negativos, pode ser inclusive uma terapia eficaz em determinadas circunstâncias.

A ciência diz que a escrita é terapêuta

Presidente da International Stress Management Association no Brasil (Isma-BR), a psicóloga Ana Maria Rossi defende que as boas sensações que a escrita proporciona são reais e têm uma fundamentação fisiológica. “Não é meramente uma fantasia, algo banal. Quando a pessoa escreve uma área do cérebro importante, o córtex pré-frontal, é ativada. Ela é a responsável por esses benefícios”, explica.

A escrita, então, é hoje considerada terapêutica, inclusive há um termo com o mesmo nome usado por profissionais da saúde. A técnica consiste em escrever sem pensar muito no resultado final, sem se preocupar para que tudo esteja escrito de forma correta e sem erros. É só colocar no papel enquanto vai fluindo. Isso ajuda a descrever detalhes de experiências, explicitar sentimentos e a colocar os fatos em ordem. Traz um bem-estar emocional e melhora até a parte física. O que foi escrito pode ser apenas seu e sigiloso, pode ser compartilhado com quem você quiser ou pode até mesmo ser publicado. É a sua escrita, é a sua forma de ver a vida e você é quem decide como apresentar ao mundo (isso se você quiser que o mundo veja).

E se você é um escritor, jornalista ou de alguma forma lida com palavras, é uma excelente forma de se compreender e trabalhar suas técnicas de brainstorm. A escrita faz com que o autor relembre situações e as reconstrua, reinvente, crie novos desfechos, veja tudo com novos olhos, invente versões diferentes.

Escrever é poderoso

“Escrevemos para dizer quem somos, descobrir quem somos, inventar as nossas vidas, matar nossos dragões, testemunhar”, afirma o psicólogo e professor da Universidade Federal do Ceará Francisco Cavalcante Junior. O especialista considera a escrita uma função vital e uma das maneiras mais eficazes e profundas de analisar a condição humana.

“O ato de escrever é mais poderoso do que as pessoas pensam”, afirma Jordan Peterson, professor de psicologia da Universidade de Toronto, no Canadá, estudioso dos efeitos da escrita na vida e nas emoções das pessoas.

Então, escreva.

Por Teca Machado

By |2020-03-09T12:11:45-03:009 de março de 2020|

Deixar Um Comentário